terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Graves denúncias contra a MetrôRio!

Para complementar o post de hoje sobre o descaso do Governo do Estado, da Agentrasnp e da concessionária MetrôRio com o sistema de metropolitano da cidade, mais uma notícia vem alertar: Segundo reportagem publicada esta noite no O Globo Online, a Linha 1 do Metrô ficou cerca de 40 minutos paralisada devido à problemas numa composição da Linha 2 que seguia para a Pavuna e ficou parada da estação Central, o que bloqueou a passagem das outras composições e afetou todo o sistema, onde os demais trens tiveram que reduzir a velocidade e aumentar o intervalo.
O Sindicato dos Metroviários aponta falhas de manutenção como a principal causa desses acontecimentos, e o diretor-executivo da entidade, Elias José Alfredo, deu a seguinte declaração ao jornal: "Quando o metrô ainda era estatal, 80% da mão de obra do departamento de manutenção era preventiva. Hoje, é o contrário, apenas 20% dos operários trabalham na prevenção. A qualquer momento, pode ocorrer um acidente no metrô. O sistema de ar-condicionado também está cada vez mais deficitário: 36 cabines de condutores não contam com refrigeração, assim como alguns vagões."

Ou seja, admite que, antes da concessão à iniciativa privada, o Metrô era mais seguro, pois havia mais prevenção. Além do mais, denuncia as condições de trabalho dos condutores, que ficam expostos ao sol forte, em uma cabine fechada e sem refrigeração.

Durante o período em que houve paralisação no funcionamento, as estações do centro da cidade tiveram suas roletas bloqueadas, e os passageiros que já estavam nas plataformas ficaram sem explicações quanto o que estava acontecendo, durante todo o tempo que esperaram. Há relatos de passageiros que foram obrigados a desembarcar das composições entre as estações São Cristóvão e Central, e ir andando pelos trilhos até a plataforma.

Essas condições são inaceitáveis para um sistema público de transporte que foi projetado para ser de excelência. A situação está no limite. Deveria haver uma intervenção judicial nesse caso.

Nenhum comentário: