terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Graves denúncias contra a MetrôRio!

Para complementar o post de hoje sobre o descaso do Governo do Estado, da Agentrasnp e da concessionária MetrôRio com o sistema de metropolitano da cidade, mais uma notícia vem alertar: Segundo reportagem publicada esta noite no O Globo Online, a Linha 1 do Metrô ficou cerca de 40 minutos paralisada devido à problemas numa composição da Linha 2 que seguia para a Pavuna e ficou parada da estação Central, o que bloqueou a passagem das outras composições e afetou todo o sistema, onde os demais trens tiveram que reduzir a velocidade e aumentar o intervalo.
O Sindicato dos Metroviários aponta falhas de manutenção como a principal causa desses acontecimentos, e o diretor-executivo da entidade, Elias José Alfredo, deu a seguinte declaração ao jornal: "Quando o metrô ainda era estatal, 80% da mão de obra do departamento de manutenção era preventiva. Hoje, é o contrário, apenas 20% dos operários trabalham na prevenção. A qualquer momento, pode ocorrer um acidente no metrô. O sistema de ar-condicionado também está cada vez mais deficitário: 36 cabines de condutores não contam com refrigeração, assim como alguns vagões."

Ou seja, admite que, antes da concessão à iniciativa privada, o Metrô era mais seguro, pois havia mais prevenção. Além do mais, denuncia as condições de trabalho dos condutores, que ficam expostos ao sol forte, em uma cabine fechada e sem refrigeração.

Durante o período em que houve paralisação no funcionamento, as estações do centro da cidade tiveram suas roletas bloqueadas, e os passageiros que já estavam nas plataformas ficaram sem explicações quanto o que estava acontecendo, durante todo o tempo que esperaram. Há relatos de passageiros que foram obrigados a desembarcar das composições entre as estações São Cristóvão e Central, e ir andando pelos trilhos até a plataforma.

Essas condições são inaceitáveis para um sistema público de transporte que foi projetado para ser de excelência. A situação está no limite. Deveria haver uma intervenção judicial nesse caso.

O descaso com o transporte sobre trilhos no Rio!

Não é de hoje que percebemos a desatenção das autoridades estaduais com o transporte de massas, em especial com o transporte sobre trilhos. Mas o governo atual, sob comando de Sérgio Cabral, bateu todos os recordes de incompetência e descaso.
Apesar da construção da gambiarra do Metrô, chamada de Linha 1-A, vendida como solução para melhor do sistema por terminar com a transferência no Estácio, essa obra faraônica só piorou a situação do já decadente serviço metroviário da capital. Todos os entendidos do assunto alertaram para que isso aconteceria, mas o Governo do Cabral, a Agentransp - a Agência Reguladora do setor, e a própria concessionária MetrôRio levaram adiante a gambiarra, que jogava no lixo o projeto original do metrô, elaborado em sua totalidade ainda nos anos 70, de maneira exemplar pelos mais experientes técnicos da época. Falaram mais alto os interesses excusos, já que o governo estadual entregou a obra nas mãos da concessionária, em troca do aumento de anos da concessão para exploração do metropolitano do Rio.

Pois bem, concluída a obra e colocada em operação a nova linha, os problemas se acumularam: superlotação das composições, aumento absurdo no tempo de espera nas estações, ausência de um sistema adequado de sinalização, o que torna possível inclusive a colisão entre trens, a diminuição da limpeza e manutenção das composições, o que vem aumentando as panes e paralisações, e onde já é possível notar a proliferação de fungos dentro dos vagões, entre erros de execução e projeto da obra da nova linha, o que também ocasiona riscos de colisão. Esses são só alguns dos inúmeros problemas que surgiram ou se agravaram com a gambiarra da linha 1-A.

Uma vistoria feita por um promotor e pelo Deputado Estadual Alessandro Molon averiguou todos esses fatos, além da ostensiva cobertura da imprensa, o que levou o Ministério Público Estadual a exigir a paralisação completa da nova linha e a volta da operação normal de transferência no Estácio, até que existam condições adequadas para sua utilização. Diz a reportagem do O Globo sobre o assunto: "Para o MP, a conexão direta entre Pavuna e Botafogo só pode funcionar com a conclusão das obras da estação Cidade Nova, a implementação de um sistema automático de sinalização, a chegada dos 114 trens encomendados pela concessionária Metrô Rio (com entrega prevista para 2011) e o restabelecimento do intervalo de quatro minutos entre os trens."
A Agentransp, que deveria agir exemplarmente nesses casos, já que é a agência reguladora responsável por esses assuntos, pouco faz para punir a concessionária ou melhorar o sistema. Desde o anos passado, perto do fim das obras da nova linha, quando os problemas no metrô começaram a se agravar, até hoje, quando a situação beira o insustentável, nenhuma medida efetiva foi tomada pela agência. Agora, diz que deu prazo de 15 dias à concessionária MetrôRio para que os problemas sejam solucionados, caso contrário, vai pedir que a conexão volte a ser feita no Estácio. Leiam novamente, pedir. Se até a Agência Reguladora faz corpo mole, que dirá a concessionária do sistema. Casos como esse deviam ser passíveis de perda da concessão, rasgar o contrato mesmo, sem dó. Mas imagina se o atual governo faria algo desse tipo. A última vez que o Governador Sérgio Cabral falou sobre o assunto, antes do Carvanal, ele disse que havia "mandado um e-mail desaforado ao presidente do Metrô". Está clara a efetividade dessa grande atitude tomada pelo líder máximo do nosso Estado.

Vale lembrar que houve por parte dos Deputados Estaduais Alessando Molon (PT) e Luiz Paulo Corrêa da Rocha (PSDB e ex-Secretário de Transportes) a tentativa de criação de uma CPI para investigar o Metrô, que foi sumariamente vetada pelo Presidência da Câmara dos Deputados, Jorge Picianni, braço direito de Sérgio Cabral e seu principal comparsa. Ele usa como desculpa a Copa e as Olimpíadas como causa para o veto da CPI, pois ela poderia causar insegurança aos investidores. Quer dizer que insegurança pra população pode, né Picianni? O que interessa é o dinheiro que vai entrar! É assim que o PDMB governa o Rio de Janeiro! Descaso com a população e preocupação com os interesses próprios!


Em tempo: mais uma vez, houve pane nos trens da SuperVia. Todos os ramais tiveram a circulação interrompida por cerca de uma hora no final da tarde de hoje. Passageiros que ficaram presos por 10 minutos no ramal Santa Cruz entraram em confronto com a polícia e tiveram que voltar andando pela linha férrea até a estação Central. A situação dos trens da SuperVia é tão desesperadora que merece um post à parte, que virá em breve, assim como um post com o histórico completo do MetrôRio, com imagens pouco conhecidas do projeto original do Metrô.

Atualização:
segundo informações, uma pane atingiu as composições do Metrô hoje, na estação Pavuna, deixando os passageiros presos por cerca de 10 minutos. O forte calor e o ineficiente sistema de ar condicionado, que não dava vazão, causaram desconforto extremo e alguns passageiros se sentiram mal. Mais tarde, uma composição parou no sentido contrário, quando as plataformas estavam lotadas. Houve um princípio de tumulto e alguns passageiros foram aconselhados a deixar a estação.

Assalto e tiros em pleno aeroporto Santos Dumont!

Para recomeçar a rotina de postagens do blog, essa notícia que chocou o Rio de Janeiro hoje: Segundo informações do O Globo, um assaltante entrou armado no saguão do aeroporto Santos Dumont na tarde e hoje, e rendeu uma funcionária da TAM, que carregava um malote com cerca de 11 mil reais para depositar. O meliante ainda disparou dois tiros, e ao menos um acertou o chão do aeroporto. Depois, o assaltante fugiu com seu comparsa, que o esperava do lado de fora em uma moto.


O fato em si já é impressionante, mas vamos nos atentar a dois outros pontos que são ainda mais alarmantes.
  • Primeiro: onde estavam os seguranças do aeroporto ou mesmo policiais militares, civis ou até mesmo federais? Como que acontece um assalto em pleno saguão do segundo aeroporto mais importante do Rio de Janeiro e não havia nenhum homem da lei por perto para impedir ou mesmo intimidar a ação dos bandidos?
  • Segundo: é de se esperar que, para ajudar a resolver o caso, sejam usadas as imagens do circuito interno de tv do aeroporto, certo? Pois bem, pasmem: o saguão do aeroporto não tem câmeras! Exatamente isso, o segundo mais importante aeroporto da cidade não tem nem câmeras em seu saguão principal para ajudar na segurança!
Vale lembrar que o Santos Dumont passou, há pouco tempos, por obras de reforma e expansão, orçadas em mais de R$ 330 milhões, tendo sido construído, inclusive, uma moderna área de embarque. Não por acaso, as obras são suspeitas de superfaturamento e desvio de verbas. Deve ser essa a explicação pela ausência de um circuito fechado de tv na principal área do aeroporto. Triste realidade da nossa cidade.

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

De volta em 2010

Caros leitores, começo esse post me desculpando com vocês. Estive muito ocupado nos últimos tempos, e tive que deixar o blog de lado. Mas esse ano mais do que nunca, se faz necessário a presença de blogs como este, denunciando, informando a população, pois 2010 é ano de eleição, e os maiores descalabros irão acontecer. Fiquem atentos pois em breve, o blog retorna com força total.