terça-feira, 30 de junho de 2009

Prefeitura do Rio economiza na merenda dos alunos! Crianças estão comendo pior nas escolas!

Mais um absurdo do Eduardo Paes! Está economizando dinheiro da compra de comida para a merenda dos alunos da rede municipal de ensino!
Vejam a reportagem do RJTV 1ª edição de hoje, 30/06


Subsecretário só enrolou e não respondeu por quê as crianças estão comendo mal..
Enquanto isso, Eduardo Paes está mais preocupado em lançar seu novo site, que é cópia barata do site da Casa Branca...Deprimente!

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Plano Piloto da Barra da Tijuca faz 40 anos.

Há 40 anos atrás, o Governador do Estado da Guanabara, Francisco Negrão de Lima, preocupado com o adensamento populacional do Rio e visando planejar e ordenar o crescimento da cidade, encomendou ao arquiteto e urbanista Lúcio Costa, o mesmo que planejou Brasília, um plano piloto para a Baixada de Jacarepaguá e Barra da Tijuca, na época pouquíssimo habitada, um grande manguezal, com suas lagoas, algumas dunas e extensa praia.

Como a expansão urbana para aquela área era inevitável, o plano previa controlar e organizar o crescimento, preservando grande parte da geografia e das belezas naturais do lugar. Dois eixos principais, um na horizontal e um na vertical, cortavam a baixada de ponta a ponta, ligando todo o bairro. Hoje são as avenidas das Américas e Ayrton Senna. Também estavam definidos no plano os gabaritos para as construções, núcleos de urbanização, e até um Centro Metropolitano. Em linhas gerais, esse foi o plano concebido.

O que foi realizado, no entanto, não foi bem o planejado. Os primeiros grandes condomínios construídos não respeitaram os gabaritos, e foram erguidas junto à praia imensas torres, tapando a visão do litoral para quem está no centro da planície. As pistas junto a orla foram duplicadas e, contrariando o projeto original, ganharam canteiro central com vagas de estacionamento. A Avenida das Américas deveria ser uma highway, sem sinais de trânsito, com os retornos das vias laterais passando por baixo da principal. Com o desenvolvimento, as áreas residenciais ficaram relativamente distantes do comércio, o que torna quase que essencial o uso de carro para se locomover e fazer quase tudo na Barra. E por negligência dos governos seguintes, principalmente pós fusão, obras de saneamento básico deixaram de ser feitas, o que é um grande problema até hoje, e causou a poluição do sistema lagunar.

Ainda assim, a Barra da Tijuca é algo ímpar no Rio de Janeiro. Beleza incomparável, ótima qualidade de vida, excelente oferta de serviços e estilo de vida único na cidade. Por muito tempo taxado de "bairro dos emergentes", é mais correto chamar de Miami brasileira. Quando se chega lá pelo Elevado do Joá, se lê num outdoor: "Sorria! Você está na Barra". E você, feliz e contente, sorri.

terça-feira, 23 de junho de 2009

Especuladores conseguiram o que tanto queriam! Eduardo Paes autoriza demolições no Leblon!

Clima de festa nas empreiteiras. Mais dois imóveis no Leblon serão demolidos para construção de prédios! Um casarão na rua Almirante Guilhem, onde funciona uma escola, e um prédio de 3 andares na rua Dias Ferreira virão à baixo em breve, soterrando história e importância arquitetônica. Quem faz a denúncia é o jornal O Globo, na reportagem Um Bairro Que Cai.

Segundo levantamento da reportagem, a Prefeitura recebeu nos últimos nove meses mais 10 pedidos de licença de demolição, além dos citados acima, em que o governo municipal já deu parecer favorável. Os projetos dos novos empreendimentos a serem construídos já teriam inclusive sido aprovados pela Secretaria Municipal de Urbanismo. Como as coisas funcionam rápido quando há tantos interesses em jogo, não?

O casarão da Almirante Guilhem se tornará um prédio de 6 andares, com 12 apartamentos e garagem subterrânea. O proprietário da construtora que comprou o imóvel aposta inclusive que todas as unidades serão vendidas sem sequer lançamento oficial do empreendimento! Fica claro o motivo de tamanho interesse das construtoras em demolir de uma vez todos os prédios antigos do Leblon.

É ruim para o bairro, péssimo para a cidade. Ocorrerá um grande adensamento populacional na área, que hoje é uma das mais nobres, e com altos índices de qualidade de vida. O trânsito se tornará caótico. A luz solar nas ruas vai desaparecer, como já acontece em vários bairros, a exemplo de Copacabana. Isso tudo sem contar a perda irreparável das belas construções antigas, de grande valor arquitetônico. Até que a área deixe de valer o que vale hoje, e os especuladores mudem sua atenção para outro lugar, deixando o bairro degradado.

Começou a nova corrida imobiliária no Rio! Eduardo Paes deu a largada!

terça-feira, 16 de junho de 2009

A vergonha do Ensino Médio no Estado do Rio!

É triste, é vergonhoso, é absurdo, mas é a verdade. Deu no G1, em 10/06: "Mais da metade dos jovens não conclui o Ensino Médio no Rio". Segundo o relatório de um estudo feito pela Unicef, o Fundo das Nações Unidas para a Infância, que avaliou o abandono escolar em todo o Brasil, apenas 44,5% dos jovens terminam seus estudos no Estado do Rio! Mais de a metade abandona a escola antes de completar os três anos do Ensino Médio.

A proporção dos que concluíram o Ensino Médio no Rio é menor que em todos os outros Estados da Região Sudeste, e menor mesmo que as médias nacional e regionais, como do Nordeste e do Norte! Veja os dados:
-Brasil 50,9%.
-Reg. Sul 46,9%. Reg. Norte 45,2%. Reg. Nordeste 44,6%.
-São Paulo 68,6%. Espírito Santo 56,3%. Minas Gerais 55,9%.
--Estado do Rio 44,5%.

Ainda segundo o estudo, os alunos expostos a rotinas de violência têm mais dificuldade de aprendizado. A situação educacional no Complexo do Alemão foi classificada como emergencial. Em 2007, os alunos ficaram quase 2 meses sem ter aulas, devido aos confrontos entre policiais e traficantes.

Faltam investimentos na contratação, qualificação e remuneração dos professores, na reforma e construção de novas escolas, e na melhoria da qualidade do ensino, que aumente o interesse dos alunos e diminua a evasão escolar.

Tudo isso é solenemente negligenciado pelo Governo do Estado, Sérgio Cabral e companhia. Enquanto isso, sofrem os alunos, sofre a população, sofre o futuro dessa gente.

Programa "Minha Casa, Minha Vida" fracassa antes de começar!

O programa "Minha Casa, Minha Vida", do Governo Federal, tem como objetivo diminuir o déficit habitacional no Brasil, construindo 1 milhão de moradias para famílias com renda de até 10 salários mínimos. O investimento previsto é de R$ 34 Bilhões, e conta com a parceria dos estados, municípios e da iniciativa privada.

Do total de moradias, 200 mil são para população que recebe entre seis e dez salários mínimos, 100 mil para quem recebe entre cinco e seis salários mínimos, outras 100 mil para quem tem renda entre quatro e cinco salários mínimos, e 200 mil para quem recebe entre três e quatro salários mínimos. Mas a maior parte delas, 400 mil moradias, serão destinadas para quem tem renda de até três salários mínimos, ou seja, a população de menor renda dentro do programa, que pagaria prestações de no mínimo R$ 50,00.

É exatamente nessa maior parcela de moradias, para a população mais carente, onde mora o problema: Essa semana, a Caixa Econômica Federal, que deve financiar grande parte da compra das moradias, recebeu a informação que a iniciativa privada não tem nenhum interesse em construir para quem ganha até 3 salários mínimos! Mais que isso, acha o projeto inviável!

Como que, só agora, com o projeto já lançado e com famílias se inscrevendo, chegaram a essa conclusão? Seria falta de planejamento do programa por parte do Governo? Falta de comunicação com o setor privado? Expectativas exacerbadas?

Pelo visto, sonho da casa própria vai continuar distante da maior parte dos brasileiros.

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Garotinho oficialmente fora do PMDB!

Agora é oficial. Garotinho se reuniu hoje com Michel Temer, presidente licenciado do PMDB, e depois com Iris de Araújo Resende, presidente em exercício do partido, para entregar uma carta com seu pedido de desfiliação. No próximo dia 22, filia-se ao PR, partido pelo qual deve disputar o cargo de Governador do Rio em 2010. Quem traz a notícia em primeira mão é Lauro Jardim, na coluna Radar On-line, da Veja.
Apesar de ter disputado a presidência contra Lula e de muito criticá-lo nos últimos anos, Garotinho disse que vai apoiar Dilma Rousseff no próximo pleito, já que "é amigo de Dilma e militaram juntos durante muitos anos no PDT". Além do mais, o PR é da base aliada.

O ex-Governador afirma que, no entanto, será muito difícil que suba em palanque por Dilma ao lado de Sérgio Cabral, seu pricipal desafeto e adversário no Rio. Seu último encontro com o atual Governador, desde a posse do mesmo, teria sido há dois meses, quando este lhe pediu que não saísse do PMDB. Garotinho teria sido enfático: "Agora é tarde. Faltou consideração da sua parte". No entanto, não faz crítica pessoal contra Cabral, ele só não teria "vocação para o Executivo".
Com a disputa entre Cabral e Garotinho em 2010 se concretizando, já que ocorre troca direta de votos entre os dois, o cenário fica mais favorável para o candidato que virá da coligação PSDB-DEM-PPS-PV, já que Garotinho enfraquece Cabral, mas tem alto índice de rejeição. Façam suas apostas!

quinta-feira, 4 de junho de 2009

Governo Lula cortou as verbas do Arco Rodoviário do Estado do Rio em R$80 milhões!

Seria o fim da lua-de-mel entre Lula e Cabral? O Ministério do Planejamento cortou verbas da construção do Arco Rodoviário do Rio, obra de extrema importância para o Estado do Rio e que faz parte do PAC.

Conheça melhor o Arco Rodoviário:


Com planejamento pronto já em 1974, esse importante projeto finalmente sairia do papel, mas vem caminhando a passos lentos e agora sofre corte nas verbas, o que deve dificultar a atrasar ainda mais sua conclusão.Lula e Cabral. Separados, eram péssimos. Juntos, são ainda piores.

Para Eduardo Paes, educação não é prioridade no Rio!

A cada dia, Eduardo Paes me surpreende e preocupa mais. Em decreto do dia 26 de maio, o prefeito depreciou a educação na cidade do Rio em favor das empreiteras e construtoras! Antes desse decreto, a legislação municipal determinava que os responsáveis por empreendimentos imobiliários dessem como contrapartida à Prefeitura a construção de escolas na área do investimento, ou em outra área onde uma escola fosse mais necessária, se assim determinasse o Governo Municipal.

Veja o decreto n°. 30754, de 26 de maio de 2009, de Eduardo Paes:
"Art. 1.° Fica revogado o parágrafo único do artigo 5.º do Decreto 18.437/00, incluído pelo Decreto n.º 30.627/09. Texto anterior: 'Parágrafo Único. A construção e reforma de escola(s) será considerada prioritária sobre as demais demandas de equipamentos urbanos comunitários públicos da administração municipal.'"

Educação deixa de ser prioridade!

Nos últimos 8 anos, foi construída uma sala de aula por dia! Será que Paes acha que o trabalho de Cesar Maia foi satisfatório, e por isso não é mais prioridade investir em construção de escolas? Ou será que essa medida é para atender aos interesses dos especuladores imobiliários, maiores financiadores da campanha de Eduardo Paes, que agora poderão construir uma bela praça para valorizar ainda mais seus empreendimentos?

Governo diz que já concluiu 15% das obras do PAC, mas na verdade são só 9%!

Malandragem, esperteza, enganação, chamem do que quiser. Mas a verdade é que o Governo Federal manipulou os números dos resultados do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) até agora, apresentados ontem pela ministra Dilma Rousseff.

Ao falar sobre o valor investido até o momento, a ministra afirma que foram R$ 646 bilhões, sendo que 35% desse total (R$ 224 bilhões) é destinado à obras de saneamento e habitação. No entanto, ao anunciar o percentual de obras prontas, o valor de 15% só é atingido pois os dados desconsideram as obras de saneamento e habitação! Motivo: nenhuma dessas obras foi concluída! Se fossem contabilizadas, o percentual total de obras prontas seria de precisos 9,73% somente.

Quem traz os fatos à luz é o Estadão, exaltando ainda que o porgrama "Minha Casa, Minha Vida", que prevê construção de 1 milhão de moradias, tem um investimento previsto de R$ 60 bilhões e conta com intensa campanha de propaganda na mídia em geral, também ficou de fora do balanço divulgado ontem. Diz a reportagem do Estadão: "A propaganda fala nos programas de habitação e saneamento, mas o balanço os retira."

Pelo visto, a maquiagem no Governo Federal não se restringe só ao rosto plastificado de Dilma.